1 Julho, 2022

O ónus da prova foi invertido. Já não se presume que estejamos inocentes. Agora somos presumidos culpados, a menos que possamos provar a nossa inocência para além de uma dúvida razoável num tribunal.